This website uses cookies. By using the site you are agreeing to our Privacy Policy.

24.05.2019

Trilhos em chama com Michael Clark

O fotógrafo de desportos de aventura Michael Clark passou mais de 23 anos a superar-se, à sua fotografia e o seu equipamento ao extremo. A trabalhar com alguns dos maiores clientes editoriais e comerciais do mundo, ele integra belas paisagens com elementos de ação, e mais recentemente, usa técnicas inovadoras de iluminação artificial para dar às suas imagens uma vantagem extra. Nós demos ao Michael a FUJIFILM GFX 100 para testar em campo no Utah, em dois dos mais famosos locais do mundo para a prática de desportos radicais: as icónicas rochas de Indian Creek e o monte Virgin, o “Everest” do BTT.

O esplêndido trabalho fotográfico de Michael deriva do amor pela escalada e do desejo de capturar a beleza majestosa das montanhas e penhascos que visita, então, para este projeto, ele quis voltar às suas raízes. Não apenas aos locais que ele escolheu se apresentam como uma oportunidade para fazer fotografias espetaculares, como eram o teste ideal para algumas das mais atrativas características da GFX 100.

GFX 100 + GF32-64mmF4 R LM WR - 1/2500 sec at F4 ISO 200

“Indian Creek e o desporto de escalada foram um grande teste para ver quão bem o Estabilizador de Imagem incorporado (IBIS) trabalhou e como a câmara se comportou com definições de ISO elevadas. Por outro lado, a corrida livre em bicicleta provou ser um excelente campo de teste para a focagem automática (AF) da GFX 100, modos de rastreamento e para ver quão rápido a câmara pode disparar com uma elevada sequência de imagens”, refere Michael, que tem esperado por uma câmara de grande formato capaz de acompanhar o seu estilo dinâmico.

“Neste compromisso, eu estava a tentar perceber se a GFX 100 poderia substituir ambas as minhas alternativas atuais, a minha câmara de médio formato e a minha DSLR, tudo de uma vez. Essa era uma tarefa difícil – ou eu pensava que era ao inicio,” revela.

GFX 100 + GF250mmF4 R LM OIS WR - 1/2000 sec at F6.4 ISO 800

Atualmente Michael usa DSLRs regularmente no dia a dia, mas trabalhou com um elevado numero de câmaras de médio e grande formato ao longo dos anos. “Eu adoro a aparência que o médio formato atribui e sonhei durante muito tempo com uma câmara de grande formato que pudesse conciliar com o meu ritmo acelerado de fotografia de desportos de aventura. Acho que finalmente encontrei a tal com a GFX 100,” admite.

Ele continua descrevendo como sentia uma naturalidade desde que começou a utilizar a câmara. “A minha primeira impressão da câmara foi que ficava bem nas mãos, tal como o corpo das antigas DSLR com as quais estava habituado. As objetivas eram muito mais leves do que o que estava habituado com a minha Hasselblad, o que foi uma característica muito bem vinda.

GFX 100 + GF23mmF4 R LM WR - 1/200 sec at F5 ISO 640

Para este registo, Michael conjugou a GFX 100 com várias objetivas incluindo GF23mmF4 R LM WR, GF32-64mmF4 R M WR, GF100-200mmF5.6 R LM OIS WR, GF110mmF2 R LM WR, GF250mmF4 R LM OIS WR and GF1.4X TC WR teleconversor. Ele ficou impressionado com a qualidade que estas combinações lhe permitiram atingir.

“Eu fiquei impressionado com a falta de ruído nas definições com ISO elevado. As objetivas ainda não estavam muito afinadas e com uma grande variedade de aberturas,” disse. A GFX 100 também se enquadrou perfeitamente nas configurações que usa atualmente. “A câmara respondeu perfeitamente com os meus flashs Elinchrom. Para as fotografias de movimento, usamos o mais poderoso ELB 1200s, enquanto para os retratos e tudo o mais usamos o kit ELB 500 TTL. Para controlar e disparar os flashs, usei o Elinchrom Transmitter Pro, desenvolvido especialmente para as câmaras FUJIFILM. Isto deu-me acesso ao Hi-Sync e aos modos HSS,” explica.

GFX 100 + GF110mmF2 R LM WR - 1/3200 sec at F2.8 ISO 160

Enquanto Michael continuou a explorar a câmara nesta experiência, destacaram-se uma série de características. “Enquanto trabalhei com a objetiva GF110mmF2 R LM WR, define a abertura para F2 para “creamy bokeh” e deixei o sistema de Deteção de Rosto e Olhos em AF, fazendo todo o trabalho. Praticamente todas as fotografias eram bem definidas nos olhos. Eu nunca vi nada sim antes com as minhas DSLR,” revela.

Michael diz-nos então o quão impressionado estava com a velocidade com que conseguia disparar com uma resolução tão elevada e a capacidade de rastreamento AF para acompanhar. “Defini a câmara para a maior taxa de frame rate e fiquei abismado com a velocidade de disparo de frames. O meu assistente riu um bocado quando viu o meu enorme sorriso logo após as primeiras imagens,” enfatiza.

GFX 100 + GF250mmF4 R LM OIS WR + GF1.4X TC WR - 1/2500 sec at F5.6 ISO 1600

A par da performance AF, o sensor IBIS da GFX destaca-se como uma das características favoritas, provando ser extremamente útil quando estamos a balançar numa corda e a fotografar com um sensor de 102 megapixéis. “Ao usar o IBIS, foi possível obter imagens definidas ao longo da descida com velocidades de obturador de 1/8s. Isto é absolutamente incrível. Com a minha câmara atual de médio formato de 50 megapixéis, qualquer velocidade abaixo 1/500sec é arriscado,” disse-nos.

Outra clara vantagem da câmara foi a sua notável portabilidade. “As câmaras de grande formato de outrora eram grandes e volumosas. Carregar uma destas para zonas distantes era como carregar um bloco de cimento na mochila,” ri Michael. “A GFX, por comparação, é consideravelmente mais leve, mais ergonómica e familiar uma vez que tem mais ou menos o mesmo tamanho de uma Pro DSLR full frame,” continua.

GFX 100 + GF32-64mmF4 R LM WR – 1/1600 sec at F8 ISO 400

No geral, Michael vê a GFX 100 como um marco, dizendo-nos que acha que é uma câmara que irá mudar a indústria. “A GFX 100 está a redefinir o grande formato. A Fujifilm juntou todas as caraterísticas que estamos habituados a ter nas nossas DSLR e câmaras mirrorless full frame, e para completar adicionou o grande formato de 55mm. Por causa disso, esta é verdadeiramente a primeira câmara de grande formato de qualquer marca que eu sinto que posso usar para a grande maioria dos meus trabalhos,” diz.

GFX 100 + GF110mmF2 R LM WR – 1/1000 sec at F5.6 ISO 800

Ele conclui destacando a versatilidade da GFX 100 e o impacto que terá na indústria. “Esta câmara é tão fácil de usar no estúdio para fotografia de natureza morta e de moda, como para desportos de aventura e paisagens. É essencialmente uma câmara que faz tudo,” remata.

“Esta vai ser a máquina para bater no segmento do médio e grande formato. Nada se compara,” conclui Michael. “Para profissionais à procura da melhor qualidade de imagem e o mais utilitário grande formato disponíveis no mercado, é esta a câmara. Ponto.”

Michael Clark é um fotógrafo profissional Fujifilm.

Para conhecer melhor o trabalho de Michael Clark, visite este site.

Saiba mais sobre a FUJIFILM GFX 100 e leia as especificações completas aqui. Também poderá reservar a sua num dos nossos revendedores autorizados, consulte aqui a lista completa.

GFX 100 + GF23mmF4 R LM WR - 1/800 sec at F5 ISO 5000

GFX 100 + GF110mmF2 R LM WR - 1/1600 sec at F2.8 ISO 200

CATEGORIAS

Produtos mencionados na Story